Blog do Ronaldo Evangelista

nesse minuto sei tão bem do espaço que ocupo
Comentários Comente

Ronaldo Evangelista

Na Ilustrada de hoje, breve crítica minha acompanha matéria sobre o novo de Céu. Mais ou menos assim, como logo abaixo do vídeo de “Retrovisor”, ilustrando o post.

“CARAVANA”: IMAGINAÇÃO, CLIMA IMAGÉTICO E SOM SETENTISTA

Não há nada como assistir a um filme chegando aos créditos iniciais sem pista prévia de ritmo, estilo, enredo, pura apreciação das surpresas de uma cinematografia bem desenvolvida.

Alguns dos melhores cineastas sabiam disso tão bem a ponto de se recriar e reinventar novos universos a cada filme ou número de filmes – algo não muito diferente da evolução criativa disco-a-disco tão comumente esperada e cobrada de compositores, produtores, músicos.

Pelo espelho do carro em trânsito, entre as serpentinas no salão do baile, no asfalto e no mar, a Céu de “Carvana Sereia Bloom”, seu terceiro disco, aparece como que em cortes de superoito, focos de baixa fidelidade, locações perdidas na estrada.

Metaforicamente cinema, seria algo como o cruzamento de um longa jamaicano de baixa qualidade com algum cineasta independente do Recife citando Cacá Diegues de fins dos anos 70, entre vinhetas, reggae obscuro, Nelson Cavaquinho, composições de Jorge Du Peixe, Lucas Santtana, Gui Amabis, Céu.

A organicidade lapidada de Beto Villares, produtor de seus dois primeiros álbuns, dá lugar ao estilo imagético de Gui Amabis, com baterias altas, órgãos climáticos, baixos de timbre setentista, guitarras em solos à frente ou soando com slide.

Colando juntos na viagem, processo como sempre colaborativo, participam músicos como Dustan Gallas, Dengue, Pupillo, Bruno Buarque, Lucas Martins, Thiago França, Curumin, Lúcio Maia, Negresko Sis (o trio vocal com Thalma de Freitas e Anelis Assumpção), Fernando Catatau.

De Céu, ficam ainda mais claros em sua musicalidade a imaginação, o senso de humor, a beleza, a leveza, a naturalidade, o apuro, a voz.


eu sou assim, assim, ah sim
Comentários Comente

Ronaldo Evangelista

Vamos ser sinceros, come on baby, pode ser que eu tenha um motivo para querer sair no vendaval. Escrita por esses dias mesmo por Tulipa em cima de uma base de Ilhan Ersahin, a música no play acima é do show ontem em Ribeirão Preto do Wax Poetic com nossa cantora favorita com nome de flor, repeteco hoje no Sesc Pompeia ao lado do Marginals + Rodrigo Brandão, Nublu Jazz Fest.


Discos de 2012
Comentários Comente

Ronaldo Evangelista

Dois mil e doze já começou assim, primeiros grandes discos do ano já saídos ou chegando na rua logo menos. Se 2011 foi um ano tão interessante em discos brasileiros, o novo ano acompanha e já chega com lista quente de promessas. Só pra não perder o ritmo do balanço, logo abaixo algumas novidades entre porvir em não muito e já nascidas nesse primeiro mês e meio do segundo ano da segunda década desse nosso vigésimo primeiro século.


*A faixa título do quarto álbum de Lucas Santtana, “O Deus Que Devasta Mas Também Cura”, foi escrita originalmente para o álbum Memórias Luso/Africanas, de Gui Amabis, do ano passado, e outras joias do novo disco incluem versão de uma maravilha contemporânea de Tom Zé, participações de Céu, Curumin, Letieres Leite, Guizado, Ricardinho Dias Gomes, Marcelo Callado, Gustavo Benjão, Lucas Vasconcellos, Rica Amabis, Marcão Gerez, Mauricio Fleury, Gustavo Ruiz, Bruno Buarque, Gui Amabis, Luca Raele e altos sons e composições novíssimas.


*Digamos que Caravana Sereia Bloom, terceiro álbum da Céu, primeiro dela produzido por Gui Amabis (junto com ela), está para Memórias Luso/Africanas como seus dois primeiros estavam para Excelentes Lugares Bonitos, de Beto Villares. Composições de Lucas Santtana e Jorge Du Peixe, reggaezinho old school, versão íntima de Nelson Cavaquinho e participações de Pupillo, Dustan Gallas, Rica Amabis, Curumin, Thiago França, Lucas Martins, Fernando Catatau.


*Nave Manha, o segundo disco da Trupe Chá de Boldo, vem com produção de Gustavo Ruiz e enorme evolução do primeiro álbum da banda de 13 membros, Bárbaro. Indie-disco, new wave, tropicalismo, pop hippie, jovial e charmoso.


*A banda do casal Letícia Novaes e Lucas Vasconcellos (ele que também toca no disco do Lucas Santtana, aliás), mais Thomas Harres e Fábio Lima, Letuce, chega ao segundo disco bem resolvida e no pique. Manja Perene? É provocador, sensual, excêntrico, sincero, debochado, inteligente, divertido.


*Gravado desde o ano passado, lançado nos princípios do ano 12, Avante vem com as composições habitualmente excelentes de Siba, agora brincando a sério com a guitarra, sob produção de Catatau.


*Legal, simples, esperta, com composições interessantes e som doce-de-ouvido, Na Rua Agora é a estreia de Marina Wisnik com produção de Marcelo Jeneci e Yuri Kalil.


*Banda de apoio de uma do último da Gal (e, dizem, do show de Recanto que vem por aí) e com relações cruzadas com Tono, Kassin, Rob Mazurek, Damo Suzuki, Arto Lindsay, experimentalismo carioca, cabou de sair Rabotnik #3.


*Regional e digital, colagens de grooves e texturas, nó nas possibilidades de combinações e recombinações, primeiro álbum “oficial” do mineiro de Pouso Alegre Zé Rolê aka Psilosamples, Mental Surf.

*Já comentei, Meu Samba No Prato é o melhor disco de samba-jazz gravado no Brasil em anos, homenagem ao clássico LP Edison Machado é Samba Novo e ao mesmo tempo vigor de novidade criativa pelo sexteto de Marcos Paiva.

*Também do ano passado, com lançamento oficial para breve, sensa o carimbó new wave brega & chique de Felipe Cordeiro no álbum Kitsch Pop Cult, produzido por André Abujamra.

*De cair o queixo mesmo é Bahia Fantástica, novo, segundo, de Rodrigo Campos, gravado por Gustavo Lenza, dirigido por Romulo Fróes, inspirado em Curtis Mayfield e Dorival Caymmi, acompanhado de Mauricio Takara, Kiko Dinucci, Marcelo Cabral, Mauricio Fleury e Thiago França.

*Gaby Amarantos, Treme, produzido por Carlos Eduardo Miranda (QST), Waldo Squash (Gang do Eletro) e Félix Robatto (do La Pupuña), Belém goes mainstream, você já está aí esperando, né?

*Também não sei se você já ouviu, mas estalando no forno está o novo, terceiro, do Curumin, Arrocha. A qualquer momento em edição extraordinária.

*Aqui torcendo para sair esse ano o, pelo ouvido até agora, delicioso disco de Kika Carvalho, na produção caprichada de Décio 7 e Victor Rice.

*Continuando a incrível safra de todos os envolvidos e atingindo altos picos de musicalidade, chegando em pouco Etiópia, do Sambanzo, registro em disco da formação de Thiago França com Marcelo Cabral, Kiko Dinucci, Pimpa e Samba Sam tocando temas afrobrasileiros selvagens.

*Levantando verba via esquema crowdfunding, Cão Sem Dono é o primeiro solo de Tatá Aeroplano, depois de três álbuns com o Cérebro Eletrônico e dois com o Jumbo Elektro, agora com produção de Junior Boca e Dustan Gallas (que produziram Journal de Bad, da Bárbara Eugênia).

*Claro, estou, estamos todos, curiosos mesmo é com esse segundo da Tulipa, também produzido por seu irmão Gustavo Ruiz (e com patrocínio da Natura).

*Cortes Curtos é o disco de canções-vinhetas do Kiko Dinucci, tão boas quanto curtas.

*Também testando o esquema crowdfunding (embora almejando um pouco mais), tem essa do disco Cidadão Instigado IV, aparentemente com faixas todas já compostas e prontas pro rec.

*Flora Matos promete vir logo com dois: Do Lado de Flora e Flora de Controle.

*Fela Kuti com Pink Floyd, diz Otto, sobre The Moon 11:11.

*De Pés no Chão, de Marcia Castro, já está pronto e quase na rua.

*Apostando aqui e agora que vai ser bem legal esse disco caseiro e em dupla de Marcelo Callado & Nina Becker.

*O novo da Orquestra Contemporânea de Olinda está sendo produzido por Arto Lindsay.

*Andreia Dias está fazendo seu novo Pelos Trópicos em trânsito, compondo e registrando entre viagens por Belém, São Luís, Fortaleza, Natal, João Pessoa, Rio de Janeiro, Recife, Salvador, Chapada Diamantina, e boto fé que pode ficar bem especial.

*Gravado em dezembro, saindo em março, tem o Acústico MTV do Arnaldo Antunes, com Marcelo Jeneci, Curumin, Edgard Scandurra, Nina Becker, Moreno Veloso, Guizado.

*E, pra não dizer que não lembrei das flores, seguimos na expectativa fiel dos lendários segundos álbuns do Sabotage, do Instituto, do 3 na Massa, do BNegão, do Rubinho Jacobina, do Beto Villares, o prometido novo do Hurtmold, o com certeza bem bonito primeiro solo de verdade do Moreno Veloso e o especulado primeiro solo de Rodrigo Amarante.

Tá bonito, música boa não vai faltar em 2012. Esqueci de algo?


A Nova Onda do Samba-Jazz
Comentários Comente

Ronaldo Evangelista

Matéria que escrevi ontem na Folha comenta a influência perene do samba-jazz na música instrumental brasileira e alguns novos discos que abordam o estilo, como o brilhante novo álbum do sexteto do Marcos Paiva e o balançado disco-tributo de Joãozinho Parahyba. Sobre tudo, logo abaixo.

Álbuns dão largada para uma nova onda do samba-jazz
Estilo de improviso brasileiro que viveu auge nos anos 60 ganha homenagens em discos autorais que atualizam ideias da época

O jazz não era nenhum estranho para a música brasileira nem vice-versa, mas um dia os músicos tiveram um estalo que mudou tudo. E se pegassem o vigor do mais moderno jazz e o tocassem com toda a riqueza rítmica brasileira? E se tocassem hard bop, mas com a batida de samba, livremente levada entre aros e pratos e improvisos nas marcações do bumbo e surdo?

Surgido no começo dos anos 60, o samba-jazz foi mais do que um movimento, foi o nascimento de uma nova maneira de tocar. Hoje, 50 anos depois – entre muitos músicos que desenvolvem o estilo tocando, como então, em bares, pela noite -, novos álbuns tomam o gênero como ponto de partida para novas criações.

Marcos Paiva, 37 anos, contrabaixista e arranjador, em seu recém-lançado Meu Samba no Prato – Tributo a Edison Machado, escolheu se debruçar sobre o clássico Edison Machado é Samba Novo, LP de 1964 que reunia nomes como Moacir Santos, JT Meirelles e Paulo Moura em torno do baterista Machado, disco de improvisações quentes e arranjos ousados.

À frente de um sexteto totalmente acústico, formado por Daniel de Paula na bateria, Daniel D’Alcântara no trompete, Jorginho Neto no trombone, Cássio Ferreira no sax alto e Edinho Sant’anna no piano, Paiva desenvolve temas e arranjos baseados nas composições do álbum original, atualizando as ideias, partindo dali para chegar em um lugar novo e contemporâneo. O trombonista Neto, de 28 anos, membro do sexteto de Paiva, também lança agora disco autoral dedicado ao gênero, simplesmente chamado Samba Jazz.

“O samba-jazz é o começo da linha evolutiva da música instrumental brasileira”, observa Paiva. “É a primeira vez que a música brasileira se une de verdade com o jazz. Quis fazer um tributo ao Edison, um músico com muita personalidade, e também a toda uma geração.”

João Parahyba, 61, conhecido internacionalmente como baterista do Trio Mocotó, viveu em pessoa o momento do nascimento do gênero. Era um garoto de 15 anos quando começou a frequentar boates de São Paulo para assistir (e ocasionalmente improvisar junto de) músicos como Zimbo Trio e Sambalanço Trio, de Cesar Camargo Mariano. Seu novo álbum O Samba no Balanço do Jazz presta homenagem a seus heróis iniciais, com temas de João Donato, Moacir Santos, Laércio de Freitas e Amilton Godoy (do Zimbo).

“O samba-jazz é um samba com influências americanas e europeias, tem o lado afro e tem coisas que são quase peças clássicas”, nota Parahyba. Assim, comenta que o estilo sempre esteve presente no que fez. “A relação do Trio Mocotó com o jazz era até radical, éramos três percussionistas que tocavam em uma boate acompanhando tudo. A gente tocava “Take five” com um trio de jazz em ritmo de samba.”


Meu Samba no Prato
Comentários Comente

Ronaldo Evangelista

Está na rua o melhor disco de samba-jazz gravado no Brasil em anos: Meu Samba no Prato, Tributo a Edison Machado pelo baixista Marcos Paiva e seu sexteto. Sem clichês, sem convenções baratas, sem emulações gratuitas: grandes arranjos e belos improvisos, elogio não só ao som mas também à criatividade do incrível disco Edison Machado é Samba Novo. Hoje à noite, ao vivo no teatro do Sesc Pompeia, com participação de Raul de Souza – aliás, um dos solistas do LP original, quase 50 anos atrás.


O Brasil de Inezita Barroso
Comentários Comente

Ronaldo Evangelista

E essa caixa da Inezita? Dois dez polegadas e cinco LPs iniciais lançados pela Copacabana, entre 1955 e 1961, compilados em seis CDs. Lindo – a se lamentar só a ausência das essenciais “Azulão” e “Modinha”, de Jayme Ovalle e Manuel Bandeira, e “Viola quebrada”, de Mário de Andrade, limadas por desacordo com os herdeiros dos versadores famosos. Bem, mais motivo para ir atrás dos vinis originais. De resto, por todos os discos (e na verdade até hoje), a poderosa voz de Inezita e seu talento para encontrar composições são impressionantes, fontes inesgotáveis de alegria.